Estrela, Lisboa - Portugal

Estrela, Lisboa

A atual freguesia da Estrela em Lisboa, é uma pequena freguesia pertencente a esta bela cidade, possuidora de um dinamismo e diversidade cultural e religiosa verdadeiramente incontornáveis. A Estrela agrega as antigas freguesias da Lapa, Prazeres e Santos-o-Velho, indo desde a beira-rio até à zona da Basílica. Foi exatamente a Basílica da Estrela que deu o seu nome à freguesia e também a toda a sua envolvente, um convento construído em homenagem a Nossa Senhora da Estrela, em 1572, onde hoje se edifica o Hospital Militar Principal.

Um estudo recente aponta esta zona da cidade como a segunda mais exclusiva de Lisboa, escolhida para local de habitação pelas famílias de rendimentos mais elevados da classe média-alta. Desde sempre esta zona foi escolhida pelas famílias mais distintas e abastadas, existindo ainda hoje vários palacetes que foram pertença dessas famílias. A zona da Estrela é das mais centrais de Lisboa, localizando-se no coração da cidade. É nesta zona que se localiza nomeadamente a Assembleia da República e o Palácio de S. Bento, residência oficial do Primeiro-ministro.

Trata-se naturalmente de uma zona onde existem muitos edifícios históricos e de grande valor patrimonial, destacando-se para além da Basílica da Estrela, o Convento das Bernardas, o Chafariz da Esperança, o Palácio das Necessidades, o Teatro Casa da Comédia, o Edifício da Rua das Janelas Verdes, a Igreja de São Francisco de Paula, o Convento das Trinas, o Palacete da Lapa, o Palacete dos Viscondes de Sacavém, o Palacete do Conde de Agrolongo, o Palácio do Conde de Óbidos, o Palácio de São Bento (residência oficial do Primeiro-ministro), o Palácio do Marquês de Abrantes (sede da embaixada de França), o Museu Nacional de Arte Antiga, criado em 1884, que conta com quarenta mil peças expostas que representam verdadeiros tesouros a nível nacional. As obras presentes neste Museu de Arte Antiga exibem a Idade Média e o nascimento da Contemporaneidade no mais relevante conjunto de obras de escultura, pintura e aurifícia. As visitas guiadas, disponíveis no local, são uma das melhores opções para conhecer a grandiosidade e importância das peças de origem Europeia, Africana e Oriental albergadas por este Museu, .entre muitos outros motivos de interesse.

Em 2008, a Estrela assistiu à abertura do Museu do Oriente que visa fundir o Ocidente e o Oriente num só local evidenciando a arte, o conhecimento e as relações existentes entre estes povos. A inspiração nos navegadores portugueses e nas obras de arte asiáticas mostram a pluralidade e genialidade deste projeto a nível Europeu. Este local promove um encontro entre duas culturas remotas, apostando no seu entendimento e na sua harmonia através da arte, da cultura e das trocas comerciais pondo de parte a guerra, a intolerância e a discriminação. Um elo de ligação foi criado através das obras exibidas neste Museu atribuindo um valor à Arte e à História superior às divergências presentes nos dois mundos, harmonizando-os e exaltando o seu positivismo e teor construtivo.

Voltando a referir a Basílica da Estrela, podemos catalogar a Basílica como um importante edifício religioso e um marco importantíssimo elaborado e ornamentado à semelhança do Convento de Mafra com realizações brilhantes do estilo artístico Barroco tardio e com a introdução de alguns elementos Neoclássicos. A construção deste edifício resultou de uma promessa da princesa D. Maria Francisca que, ao ter um filho varão, procederia à construção de um convento. O projeto deste monumento foi projetado por Mateus Vicente de Oliveira e alterado, mais tarde, por Reinaldo Manuel, o que tornou um projeto simples num edifício de construção elaborada e ornamentada. As grandiosas pinturas interiores são da autoria de Pompeu Botoni e Pedro Alexandrino. A Basílica possui duas torres sineiras merecedoras de admiração e, no seu interior, um presépio feito de cortiça e terracota constituído por 500 peças na sua totalidade.

Outro local de referência é a Calçada da Estrela, que mantém o aspeto original e onde se encontram, ainda hoje alguns edifícios datados do século XIX. No término da Calçada surge um dos largos mais sublimes da cidade: o Largo da Estrela. As cinco ruas que se encontram neste Largo, próximo ao Palácio de S. Bento, dão-lhe o nome de Estrela. Foi a partir desta calçada que o Bairro da Estrela começou a expandir-se até atingir uma superfície considerável já no séc. XIX. Atualmente, a freguesia de Estrela ocupa 3% da superfície Lisboeta, alberga 5% da totalidade dos edifícios da cidade, contando com 2 879 edifícios habitacionais, acoita 9 325 famílias, sendo uma zona residencial por excelência. Devido à presença de um número inferior de idosos, a freguesia tem uma percentagem de envelhecimento da população menor quando comparada com a da cidade. A Estrela é o ponto principal dos negócios governamentais além de abrigar um elevado número de embaixadas incluindo Alemanha, Áustria, Bulgária, Luxemburgo, Roménia, Irlanda, Finlândia, Países Baixos, Suécia, Suíça, Indonésia, China, Reino Unido e Canadá. O Palácio de São Bento ocupa cerca de 2 hectares da totalidade do terreno do Convento de São Bento, tendo este sofrido diversas remodelações no tempo de Marcello Caetano depois da Revolução de 25 de Abril de 1974, tendo sido mantidas as fachadas do edifício. Junto a ele encontra-se um palacete construído em 1877 onde o Primeiro-Ministro reside, o Gabinete do Primeiro Ministro e a Assembleia da República. Este local funciona como ponto de encontro para o Parlamento Português.

Sendo uma zona residencial por excelência, existem diversas infraestruturas que proporcionam aos habitantes uma qualidade de vida muito elevada, destacando-se as zonas verdes que permitem desfrutar de momentos de tranquilidade e lazer ao ar livre. Junto ao Tejo existe também uma marina que possibilita que os apreciadores da vida marítima possam apreciar o rio na sua plenitude. De entre as referidas zonas verdes, destaca-se a Tapada das Necessidades, mandado construir por D. João V, e o jardim da Estrela, outro magnífico espaço a descobrir. A construção do Jardim da Estrela data de 1852 por iniciativa do Marquês de Tomar. Os jardineiros responsáveis pelo plantio deste jardim romântico ao estilo inglês, onde podemos encontrar a estátua de Antero de Quental, foram João Francisco e Jean Bonnard. É principalmente nos meses de Verão que neste local a natureza floresce e se anima ao ser visitada por um grande número de pessoas.

Ainda para os amantes da Natureza, o Jardim da Tapada das Necessidades é um local que merece ser visitado e desfrutado. Já foram aqui realizados alguns eventos importantes tendo-se registado uma grande afluência da população lisboeta e também de pessoas oriundas de outras localidades. Um exemplo disto foi o evento Out Jazz aqui realizado. O local possui uma grandeza artística, ambiental e imponente assim como um encanto histórico esquecido. Este jardim encontra-se situado numa zona menos movimentada da cidade e conta com uma área equivalente a 10 estádios de futebol. Uma referência deste local é a vista magnífica, e de uma beleza natural imperdível, sobre o Rio Tejo. O destaque desta zona da cidade de Lisboa vai, depois da qualidade de vida e da excelência da habitação, para a tranquilidade e o sossego de que se desfruta.

A estrela das crianças está presente no Parque Infantil do Jardim da Estrela com brincadeiras adequadas desde os bebés aos adultos contando com leões, girafas, túneis, escalada e várias atividades que garantem a diversão de todos, principalmente dos mais novos. Este local ostenta uma fauna e flora ricas e um ambiente agradável para praticar exercício e respirar ar puro. O Jardim da Estrela oferece na sua área vários cafés, quiosques e esplanadas. Para os amantes da literatura tem ainda um quiosque-biblioteca.

Tratando-se de uma zona central da cidade, os acessos e a acessibilidade a transportes públicos são muito fáceis, seja por autocarro, seja pelos tradicionais elétricos de Lisboa, ou com viatura própria, possibilitando o rápido acesso às maiores zonas comerciais da cidade, bem como aos maiores polos universitários, colégios e escolas da cidade. Contudo, na zona da Estrela encontram-se alguns do melhores colégios, escolas e universidades, nomeadamente o Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing e a Escola Superior de Educação João de Deus.~A segurança, naturalmente, é uma das prioridades. Considerando a existência de diversos edifícios governamentais e várias embaixadas e acrescendo ao facto de Lisboa ser uma capital muito segura onde a criminalidade violenta é praticamente inexistente, a zona da Estrela beneficia de uma grande segurança.

A Estrela é uma freguesia com marca no desporto e nas atividades desportivas em diversas modalidades. Na modalidade de patinagem conta com a Associação de Patinagem de Lisboa situada no seu território; na modalidade de artes marciais, fitness e defesa pessoal conta com a Academia de Jui Jitsu e a Associação Portuguesa Aikishurendojo, sem fins lucrativos, que envia os seus instrutores e praticantes em viagens ao Japão e, através deles, visa divulgar a natureza cultural, educacional e desportiva do Aikido.

O IDN - Instituto de Defesa Nacional, situado nesta freguesia, desenvolve um pensamento de ação estratégico em relação à segurança e defesa da nação, constituindo uma plataforma de encontro entre as diversas valências e instituições de segurança e defesa a nível nacional e social.

"Para que percorres, inutilmente, o céu inteiro à procura da tua estrela? Põe-na lá." Assim o escreveu o autor Vergílio Ferreira que também ele deixou a sua estrela em Lisboa.