Alcântara, Lisboa - O que precisa conhecer...

Alcântara, Lisboa

A zona de Alcântara localiza-se no coração da cidade, em comunhão com o rio Tejo. Trata-se de uma zona de cidade que dispõe de uma enorme centralidade, o que a transforma num dos locais mais apetecíveis para viver. A mencionada comunhão com o Tejo tem vindo a ser aumentada através da criação de ligações à zona ribeirinha, potenciando muito a qualidade de vida na zona. A evolução de Alcântara deve ser interpretada e analisada sob o ponto de vista da evolução da própria cidade de Lisboa até à atualidade. Esta localidade formou-se e sofreu importantes alterações aquando da Revolução Industrial.

Alcântara, nome derivado do termo árabe Al-quantãrã atribuído devido a uma ponte existente sobre a ribeira desde a época em que os muçulmanos ocuparam este território. Nesta ponte deu-se a Batalha de Alcântara na qual Portugal perdeu a Independência, ficando assim Filipe II de Espanha a reinar em Portugal. Desde essa fase histórica nacional até à atualidade, muitos foram os avanços e aumentos populacionais e esta ponte sofreu adaptações às exigências da deslocação dos povos aí residentes.

Os recursos naturais ainda hoje disponíveis na zona ribeirinha contribuíram para que esta zona conservasse a sua essência campestre, funcionando como um elo de ligação entre a cidade e o campo. Esta é uma localidade de grande potencial e condições ideais para fixar residência, já reconhecidas desde o tempo antigo pela nobreza e pelas famílias reais que, atraídas pelas características e condições da freguesia, aqui construíram residências, palácios e quintas.

Ao longo do tempo, e até aos dias de hoje, foi-se revelando um local com forte potencial para o desenvolvimento de indústrias e fábricas, principalmente na zona do vale e da ribeira onde a energia hidráulica e eólica representam uma forte característica no sentido do aproveitamento de recursos naturais. Para dotar a cidade de uma maior proteção em relação aos possíveis invasores, D. João IV mandou edificar o baluarte do Sacramento e do Livramento que representaram uma importante construção na cidade de Lisboa, fortemente danificada pelo Terramoto de 1755. Uma construção de importância na zona de Alcântara foi a Fábrica da Pólvora, também na zona da ribeira, sofreu alterações no reinado de D. João V e, mais tarde, foi transferida para outro local devido ao aumento da população, deixando a sua marca na localidade.

Alcântara foi alvo de grandes modificações e melhorias ao longo dos tempos adaptando-se ao aumento de movimento e população, perdendo as características de aldeia medieval e tornando a zona da ribeira um fator propício ao crescimento e não um limite ao avanço urbano. O vale de Alcântara é atravessado por um dos desejos mais prepotente e grandioso de sua realeza, o Aqueduto das Águas Livres, que entra na cidade de Lisboa e é considerado um aspeto incontornável da paisagem Lisboeta.

Esta zona foi uma das menos afetadas no ano 1755, data memorável em que se deu o Terramoto em Lisboa, e foi um local onde o início da industrialização foi mais marcante. Foi a partir de Alcântara, das suas indústrias e dos fornos de cal que a cidade de Lisboa começou a ser reconstruída após a catástrofe. Já nesta altura a situação da freguesia era alvo de destaque pela vantagem da proximidade ao Rio Tejo e ao mar, uma vez que funcionava como via de comunicação e como uma importante fonte de energia. A presença da industrialização foi diminuindo até restarem apenas marcos memoriais da sua imponente e relevante passagem por Alcântara, desaparecendo progressivamente.

A Basílica da Estrela e a Ópera de S. Carlos são importantes construções do reinado da D. Maria I seguidas de um abrandamento significativo no crescimento de Lisboa devido à situação do país e, consequentemente, uma diminuição no avanço de Alcântara. Todas as localidades têm a sua história e Alcântara tem a sua bastante extensa e dotada de mudanças marcantes que originaram a sua passagem através da História, atravessando períodos muito distintos.

Têm surgido vários empreendimentos que se enquadram numa estratégia global de integração de edifícios de grande qualidade, com acabamentos de luxo em muitos casos, numa zona de relevante património histórico e cultural. Para se ter uma ideia da importância história da zona de Alcântara através dos tempos, refira-se a título de exemplo alguns edifícios históricos existentes: Quinta do Monte do Carmo, Palacete da Ribeira Grande, Palacete dos Condes da Ponte, Capela de Santo Amaro, Palácio Vale Flor, Palácio Sabugosa, Palácio dos Patriarcas, Igreja e Convento das Flamengas, Igreja de S. Pedro de Alcântara, entre muitos outros.

Na zona de Alcântara encontram-se vários espaços verdes e de lazer capazes de proporcionar agradáveis momentos de descontração e divertimento para os mais novos. Também na área do lazer, destaque para a marina de Santo Amaro, porto de recreio de grande qualidade que proporciona aos amantes dos desportos náuticos tudo o que necessitam.

Os apreciadores de boa gastronomia encontram em Alcântara bons motivos para fazerem desta a sua localidade de eleição devido aos espaços gastronómicos aqui presentes, dotados de simplicidade e gosto requintado, e onde podemos desfrutar de saborosas refeições. Estão disponíveis nesta freguesia locais possuidores de cardápios ricos em pratos típicos da culinária portuguesa e abastecidos de vinhos de qualidade. É agradável partilhar os seus momentos de convívio nestes locais pois a satisfação e agrado são garantidos. Os amantes da vida noturna têm também em Alcântara um dos principais polos de diversão. A doca de Santo Amaro é, desde há muitos anos, um seguro local de diversão, com vários bares e discotecas. Esta modernidade envolta em tradição transforma a zona de Alcântara numa das mais desejáveis para habitar.

Outro grande trunfo da zona são as fáceis ligações ao resto da cidade. Seja em viatura própria seja em transportes públicos as ligações são simples e rápidas. A zona é servida por inúmeras carreiras de autocarros e pelos comboios da linha de Cascais. Também muito próxima se encontra-se a estação da Fertagus, que faz a ligação norte-sul, através da ponte 25 de Abril, proporcionando rápidas ligações à restante rede ferroviária nacional. Também as ligações rodoviárias para fora da cidade são simples e acessíveis.

O desenvolvimento de Alcântara e nomeadamente a sua proximidade com o porto de Lisboa têm proporcionado a fixação de várias grandes empresas e uma revitalização do comércio que proporciona aos residentes uma grande autossuficiência. Atualmente destacam-se principalmente três eixos comerciais inseridos na Rua de Alcântara, no Largo do Calvário e Rua de Luís de Camões. Estes eixos são palco de comércio diário. Contudo, a proximidade com as grandes zonas comerciais é bastante grande e rapidamente se chega às maiores grandes superfícies da cidade ou às zonas mais luxuosas como a Av. da Liberdade onde se encontram quer as marcas da moda quer as marcas mais exclusivas.

A zona de Alcântara reúne também uma boa oferta de estabelecimentos de ensino que vão desde o pré-escolar até ao ensino universitário. É na zona de Alcântara que se localiza nomeadamente o Instituto Superior de Agronomia onde se ministram cursos de Arquitetura Paisagista, Biologia, Engenharia Agronómica, Engenharia Alimentar, Engenharia do Ambiente, Engenharia Florestal e de Recursos Naturais e Engenharia Zootécnica, bem como mestrados e doutoramentos em várias áreas. Mais uma vez se salienta a proximidade a outros estabelecimentos de ensino, nomeadamente à cidade universitária, onde se localizam prestigiadas instituições e cursos de reconhecida qualidade internacional.

Uma das principais preocupações quando se escolhe um local para fixar residência é a questão da segurança. Também neste aspeto Lisboa conquista uma vez que é das mais seguras capitais da Europa. Em suma, Alcântara, no coração de Lisboa, reúne motivos mais do que suficientes para ser uma hipótese de peso na escolha de um excelente local de residência.

A cidade de Lisboa dispensa apresentações. Foi de Lisboa, no séc. XV, que se iniciou a conquista de novos mundos. Por este facto, a capital portuguesa transformou-se numa cidade cosmopolita, que recebe todos de braços abertos. Atualmente, para além de capital, é também o centro da maior zona urbana do país. É nesta área metropolitana que se localizam as sedes das maiores empresas nacionais e delegações de muitas empresas estrangeiras, nomeadamente muitas multinacionais. É nesta zona que se localiza, por exemplo, o Centro de Congressos de Lisboa.

Uma freguesia que auxiliou o concelho a que pertence a avançar e a desenvolver as suas indústrias, com vantagem em relação à agricultura, fomentando o desenvolvimento económico e, consequentemente, populacional com grande influência em toda a cidade. Um local dotado de características que o tornam especial e também um cenário de transformação onde as pequenas ideias resultam, ao longo dos anos, em obras eternizadas na História. Essas marcas históricas vincam a sua identidade, a qual nem o terramoto foi capaz de apagar. Alcântara é o local ideal para solidificar os seus objetivos pessoais assim como as suas ambições a nível profissional.